Depoimentos

Inspire-se em histórias reais!

Me chamo Karina, tenho 21 anos e nunca soube que era cacheada.
Quando criança eu tinha um cabelo enorme e bem cheio, achava lindo demais, a raiz sempre lisa e o cabelo fino, mas muito saudável.

Karina antes dos cachos
Quando fui crescendo resolvi fazer aquelas besteiras de sempre no cabelo, como a descoloração, cortes, franja etc. Com tudo isso o meu cabelo foi estragando e mudando a forma, ficando mais cheio ainda e com isso eu tive a “brilhante” ideia de como 11 anos de idade fazer a minha primeira escova progressiva (marroquina na época), desde então foram 10 anos de alisamento até que no início do ano minha irmã (que fazia a escova progressiva em mim) se mudou para outro estado e eu tive que ir me virando só com a prancha, mas como eu tinha um pouco de preguiça de fazer sempre eu fazia só aos finais de semana, passava a semana toda com o cabelo “natural ” e com isso fui me acostumando com a ideia.
Meu cabelo estava com as pontas terríveis e era nítido que necessitava de um corte, no início de novembro tomei a coragem de cortar (queria só as pontas, mas sabe como é, né ? Rs) a cabeleireira acabou cortando quase toda a parte que tinha progressiva e meu cabelo foi ganhando uma forma que eu não conhecia que tinha. Eu ia alisar, mas meus familiares me incentivaram a deixar meu cabelo natural, fui pesquisando formas de ativar cachos, pedi ajuda a linda da Cida 💕 e comprei meu primeiro produtinho para cachos que foi o cachos dos sonhos da linha #tô de cacho da Salon line.

Karina com cachos tipo 2a
Bem natural ❤

Estou pesquisando e aprendendo mais a cuidar do meu cabelo, ativar mais meus cachos e testando finalizações diferentes. Mas desde já, estou amando DEMAIS !!! Estou muito apaixonada por meu novo visual e to vendo que foi uma das melhores escolhas que eu já fiz !!!

Anúncios

Depoimento de uma cacheada – Karina

Tudo começou quando eu achava muito trabalhoso cuidar do cabelo cacheado, e com o pouco tempo e informação a única alternativa seria alisá-lo, que daria menos trabalho. Alisei dia 26/07 ficou lindo, “hidratado”, brilhoso, mas só no primeiro mês, além de não ter ficado liso por completo, tinha que passar prancha todos os dias, aah não sei o que era pior dias chuvosos ou aquele calooor e não poder lavar os cabelos todos os dias.

natural x alisado

Vai passando os dias, meses e a raiz cresce.. É nessas horas que você fica loucaaa, normalmente a pessoa vai lá e alisa de novo, maaas como o universo quis que eu fosse cacheada de qualquer forma, eu tentei só relaxar a raiz. Até sentir a minha raiz queimando e uns fios caindo, me desesperei e fui lavar correeeendo… Passou os dias e pensei bem no que fazer, meu cabelo estava poroso, as pontas destruídas, as duas texturas… só quem passa pela transição capilar sabe que é a fase mais difícil, se olhar no espelho e até vestir uma roupa que você se sentia bonita, já não é a mesma coisa.

Cada cacheada nesse momento escolhe o melhor jeito de passar pela transição, deixar crescer, usar tranças, passar pelo BC e tantas outras alternativas. Fui cortando as pontas, no ombro, chanel. Então resolvi passar pelo tão famoso big chop, o grande corte e o grande choque. Uma manhã de domingo cortei e foi um choque, chorei… Mas no mesmo dia botei brincão e sai arrasandoo kkkk.

Cortando as pontas x Big Chop

Eu tive muita sorte de ter pessoas do meu lado que me apoiaram, todos gostaram e apoiaram pelo meu objetivo e isso me fortaleceu muito nessa caminhada que não é nada fácil. Hoje depois de 3 meses de BC estou muuuuito feliz comigo mesma e o crescimento, sempre procurando dicas e receitas caseiras que dão muito certo, curtindo muito o blog Cida Cachos e indico para todas as cacheadas e lisas o assunto é muito bom!

Atualmente

Depoimento de Cíntia Cesar – Rio de Janeiro

Instagram: @_cintiacurly

Depoimento de Uma Cacheada – Cíntia

Um dia meus pais me chamaram pra conversar. Um evento muito importante para nossa família, principalmente pra mim, estava se aproximando e eles me fizeram a seguinte pergunta: “Você prefere relaxar a raiz ou fazer progressiva?”. Eu não sabia cuidar do meu cabelo e não o achava bonito. Eu pensei um pouco e respondi: “Progressiva”. A única coisa que eu lembro de ter ouvido depois foi: “Logo o mais caro!”, mas para fazer minha vontade meu pai conseguiu dinheiro e com apenas 11 anos eu alisei o cabelo pela primeira vez.

Desde o dia que alisei o cabelo o que eu mais ouvia era que a progressiva era um processo químico irreversível e isso fixou-se na minha mente de uma forma que na minha cabeça eu não tinha outra opção, eu teria o cabelo alisado para sempre. Por um bom tempo eu fui feliz com meu cabelo, quando as pessoas me perguntavam se eu tinha me arrependido eu negava e dizia que ele estava bem melhor do que natural. Nesse meio tempo eu tive vários problemas com auto-estima e me sentia muito triste, muito triste mesmo.
No final de 2015, eu estava procurando canais novos para assistir no YouTube e lembrei que a minha irmã, que é cacheada desde sempre, assistia uma menina chamada Rayza. Quando entrei no canal dela foi a primeira vez que ouvi sobre transição capilar. Minha mente se abriu. Conforme fui assistindo aos vídeos dela e de outras blogueiras que falavam sobre o assunto, como a Ana Lídia Lopes, fui me identificando cada vez mais com a história delas e logo me convenci que eu precisava fazer o Big Chop, eu precisava voltar a ser eu mesma.
De fato, a transição capilar não foi fácil, eu nem mesmo lembrava como era o meu cabelo natural, mas sentir aquelas ondinhas na raíz me deixavam feliz e me davam força. No dia 7 de janeiro de 2016, com 17 anos, eu fiz o BC e foi um dos dias mais felizes da minha vida. Eu descobri a melhor versão de mim, cultivei muito mais amor próprio e o mais importante, eu entendi que aquele cabelo que eu veria no espelho dali pra frente era o cabelo que Deus me deu, que Ele planejou com tanto carinho só para mim. Me aceitar me mudou por completo. Mudou meu estilo, meus sentimentos e principalmente, minha forma de pensar.
Eu amo meu cabelo, amo todas aquelas que me inspiraram e apoiaram, como minha irmã e amo principalmente a Deus que sempre fez o melhor pra mim.

Depoimento de Marilise – RJ

 

Depoimento de uma Cacheada – Marilise